A atualidade da Revolução, por Lukács

Homenagem do Intelectual Orgânico ao revolucionário húngaro, György Lukács.


"Para os homens medianos, a revolução proletária só se torna visível quando as massas trabalhadoras já se encontram em luta nas barricadas. E, caso esse homem mediano tenha sido instruído pelo marxismo vulgar, sua situação é ainda pior. Aos olhos do marxista vulgar, as bases da sociedade burguesa são tão inabaláveis que, mesmo nos momentos em que sofrem um abalo mais visível, ele deseja o retorno a sua situação "normal", vê em suas crises episódios passageiros e considera tal luta uma revolta temerária e irracional contra o capitalismo inexpugnável.

Para ele, os combatentes nas barricadas são homens perdidos, a revolução derrotada é um "erro" e os construtores do socialismo numa revolução vitoriosa - aos olhos dos oportunistas, não mais do que provisoriamente - são até mesmo criminosos.

Portanto, o materialismo histórico tem como pressuposto - já como teoria - a atualidade histórico mundial da revolução proletária". György Lukácks, in: Lênin: um estudo sobre a unidade de seu pensamento. São Paulo: Boitempo, 2012, p.31.