• I.O.

Eleições 2018: o papel das mulheres nas chapas majoritárias.

Eleições 2018, Candidaturas femininas, Desigualdade de gênero, Privilégios masculinos


Por Salete Maria (Advogada e professora)

O presente ensaio traz incômodas reflexões acerca do lugar das mulheres nas chapas majoritárias das eleições de 2018 no Brasil e na Bahia, focando, principalmente, nas candidaturas à presidência, ao senado federal e ao governo deste estado. Apoia-se em fontes oficiais e em farto material disponível na internet, além de observações - nem sempre participantes - realizadas durante o pleito. Com lentes de gênero e em perspectiva feminista, evidencia a persistente supremacia masculina nas candidaturas apresentadas por quase todos os partidos e coligações, apontando-as com um reforço à inequidade de gênero no campo da política. Questiona o considerável número de mulheres posicionadas na condição de vices presidentas, vices governadoras e suplentes de senador, precisamente no ano em que a justiça eleitoral ampliou o percentual de recursos financeiros às campanhas femininas. Enfatiza, ainda, a presença de duas mulheres negras concorrendo à presidência do Brasil, sem deixar de problematizar a pouca visibilidade e a pouca importância dada a este inédito fato pelos movimentos negros, feministas e de mulheres. Finaliza sustentando que, malgrado algumas resistências praticamente inaudíveis, há uma certa naturalização dos privilégios masculinos nas hostes partidárias, mormente em períodos de eleições extremamente polarizadas entre direita e esquerda, cujas prioridades, nestes contextos, passam ao largo das demandas femininas/feministas por mais mulheres no poder e mais poder para as mulheres.


Publicado originalmente na Revista Cadernos de Gênero e Diversidade. Para acessar o texto completo: https://portalseer.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/29349/17491





Brasil, América Latina.