O ecomalthusianismo e seus equívocos (parte final)


Por Roberto Lúcio Pereira, professor.


Sabemos que o grande problema da humanidade não é o crescimento demográfico, e sim a má distribuição da riqueza. Segundo dados da geografa econômica e agrária mundial, temos uma produção de grãos de em torno de 20 bilhões de toneladas, com uma população de 7 bilhões e 600 milhões de habitantes. Podemos perceber que tem pessoas comendo muito e outras não comendo nada. Pesquisas mostram que um cachorro americano se alimenta melhor do que um cidadão africano.




Na realidade o que vem acontecendo é que esse modelo neoliberal, disfarçado de ecocapitalismo, vem destruindo o planeta. Se todos os habitantes do planeta, conseguissem consumir como um americano e um europeu, nós já teríamos destruído 3 planetas Terra, e 50% de um 4°planeta Terra.


Analisando mais profundamente, podemos observar que apenas 500 milhões de pessoas vivem em situação confortável no planeta, ou seja temos 6 bilhões e 100 milhões de pessoas escravizadas pela sociedade consumista de massa e sua manipulação de consciências feita pela 4°poder(mídia).


Assim, faço a seguinte pergunta: o lucro ou as pessoas? Assim como Noam Chomsky argumenta, para o sistema, claro que é o lucro. No entanto é importante ressaltar que estudos feitos ao longo da história, com destaque para os livros do biogeografo e geógrafo Jared Diamond ("Armas,germes e aço"; "Colapso - Como as sociedades escolhem seu sucesso e seu fracasso"), trabalhamos com uma teoria chamada teoria do "U invertido". Essa teoria afirma que as sociedades ao atingirem o ápice de seu desenvolvimento e não se preocupam com o meio ambiente, entram em decadência. Podemos ter como exemplo a China atual e seu grande crescimento econômico (9 a 12% ao ano em 27 anos). Recentemente a China percebeu que a mesma era um "giigante cambaleante", pois a água, solo e ar estavam apodrecidos,75% de seu litoral degradado.


Sendo assim a China resolveu estabilizar seu crescimento econômico em 8% ao ano e resolver seus problemas de ordem ambiental, para mostrar até onde vai a força do dragão. Esses problemas vem sendo paulatinamente resolvidos, com várias obras de infraestrutura interna, e não nos esqueçamos que segundo os especialistas em China, sua população absoluta pode ser de 2 bilhões de habitantes, porém a nova onda do mundo é o crescimento econômico com sustentabilidade, sendo assim a teoria ecomalthusiana deve ser questionada em todos seus pilares.


Post anterior: O ecomalthusianismo e seus equívocos